Fernanda Souza em Meu Passado Não Me Condena

Domingo à noite e o compromisso na agenda é ir ao encontro com a atriz Fernanda Souza. Talvez ela seja mais conhecida como a eterna Mili das Chiquititas, ou a Mirna da novela das seis (Alma Gêmea), ou quem sabe a ganhadora do Dança dos Famosos 2010, ou mais recente como a noiva do cantor Thiaguinho. Ela é isso tudo e ainda geminiana, ou seja; várias mulheres em um corpo só.

‘Meu Passado Não Me Condena’, esse é o nome da peça que Fernanda escreveu e veio apresentar no final de semana dos dias 14 e 15 de setembro no teatro nacional de Brasília, sala Villa Lobos. Com a casa lotada nos dois dias (publico total de 2.800), a atriz revive seu passado em um monólogo divertidíssimo, contando bastidores e detalhes de sua trajetória enquanto atriz.

A geminiana entra em cena no primeiro segundo que ela pisa no palco e contradiz o anúncio do teatro de que é proibido fotografar. “A peça é minha, eu quem mando aqui! Pode fotografar sim!”. Já conquistou o carisma da plateia nas primeiras palavras. A ironia divertida de gêmeos veio no complemento; “mas tem que tirar o flash, isso atrapalha a concentração!... eu ainda estou vendo flash, é pra desligar gente!”. E por 70 gostosos minutos, sua vida vai sendo destrinchada e sempre contada com uma história bem humorada. Aquela mania de gêmeos, de enxergar a vida com leveza e alegria? Pois Fernanda faz isso muito bem. Até na hora de contar os perrengues que a profissão de atriz traz, sempre tem uma pitada de humor nas histórias, no jeito de contar. Trabalhar com Miguel Falabella e Claudia Raia fez muito bem ao timing da atriz.

A galera vai ao delírio mesmo quando ela relembra sua fase em Chiquititas. A geração nostalgia da plateia pira e relembra junto com Fernanda desse momento marcante na vida da atriz, que sincera e espontânea relata: “Minha boneca só não vendeu mais que a da Xuxa, e eu não ganhei um centavo com isso. Sério mesmo gente, rs..”.
Foi a partir dessa personagem que a carreira da atriz deu uma guinada e reviravoltas. E de uma maneira muito humanitária, você consegue achar identificação mesmo não seguindo a profissão de ator. Conseguir trabalho, ser reconhecido, conseguir promoção, destaque, tudo exige muito trabalho, algumas escolhas certas e um punhado de sorte. Todo brasileiro geminiano ou não, tem que ralar para conseguir um lugar no sol e com Fernanda não foi diferente. E esse é o grande barato da peça, você entender que somos todos iguais, alguns com mais visão e exposição dos que outros e somente isso.

foto instagram @fernandasouzaoficial
“Geminianamente” falando, a peça é o signo. Geminiano não gosta de falar de si mesmo quando questionado, imagina quando se tem imprensa perturbando o sossego. Entretanto adoramos contar nossas histórias, rimos delas, lembramo-nos dos detalhes que achamos sensacional e quando percebemos estão todos prestando atenção e compartilhando de bons momentos. Foi assim naquela noite de domingo, uma geminiana contando sua história de vida, de uma maneira leve, humorada, espontânea e cheia de graça. O resultado final? 1.300 pessoas aplaudindo de pé, e uma fila interminável no final para tirar uma foto com a ‘chiquitita’. Que até nos momentos finais dá uma de geminiana, pensamento rápido, sem muito tempo para enrolação e vai logo organizando o processo para que todos sejam atendidos de uma maneira eficiente. Ela é uma simpatia e foi a melhor peça de teatro que eu já fui na vida (#sóquenão). rsss... =p

Para entender essa piadinha, você pode assistir a peça em:

21 e 22/09 – Cuiabá
28/09 – Piracicaba
29/09 – Limeira
05/10 – Volta Redonda
06/10 –Juiz de Fora
12 e 13/10 – Anápolis
20/10 – Fita (Angra)
26 e 27/10 – Salvador
02 e 03/11 – Belo Horizonte /MG
09 e 10/11 - São Luís/MA
23/11 – Linhares/ES
24/11 – São Mateus/ES

- EXCLUSIVO!!! a querida Fernanda mandou um beijo para todos os geminianos do blog!




Fernanda Souza em Meu Passado Não Me Condena Fernanda Souza em Meu Passado Não Me Condena Reviewed by Rodolfo Poppi. on setembro 18, 2013 Rating: 5

4 comentários:

- Advertisement - ad
Tecnologia do Blogger.