04 dezembro 2009

beijo, NÃO me liga!

TELEFONE,
Eu sempre odiei e vou morrer odiando!
Só de ver a cara desses aparelinhos já me da vontade de chutá-los, jogar pela janela, enfim, dá uma morte bem sofrida.
Eu odeio muito!
Eu odeio o som que eles emitem, eu odeio ficar parado enquanto o outro fala e você não tá olhando pra pessoa. Odeio que tem gente que ama, odeio tudo a respeito do telefone. E odeio todos seus derivados - celular, rádio -.
Eu realmente detesto.
Pessoas já puderam testemunhar meu pavor ao dito cujo.
Ontem aconteceu uma historinha com esse maldito telefone.
Eram 4 da madrugada, eu dormindo muito bem obrigado, até que o telefone toca.
ÓBVIO QUE TELEFONE QUE TOCA EM CASA DEPOIS DA MEIA NOITE É NOTÍCIA DE DESGRAÇA. ALWAYS!!!
Tá, que morando sozinho não seria tão extremo, mas depois das 2, com certeza não é ninguém ligando e chamando pra barzinho.
Pois a porra do telefone tocou e eu acordei num pulo. Com susto, ódio do barulho, ódio do telefone. Logo na sequência, questão de milésimos de segundo, me bateu um pânico. O coração bateu mais forte e eu só pensava: QUEM SERÁ QUE MORREU?
Na minha cabeça eu comecei um joguinho de possibilidades de quem seria o novo defunto do pedaço. Por que em menos de um mês já foram várias pessoas, além de parentes de conhecidos, já levaram Mara Manzan, Lombardi, Leila Lopes, Herbet Richers. Nessa minha cabeça, era óbvio que estava chegando mais um pra figurar entre os mortos.
Ai fiquei pensando demais e o telefone parou de tocar. Ai eu pensei: Ahhh, é justo eu não saber quem morreu agora. São 4 da manhã, eu to sozinho, nem vai ser legal. Amanhã quando eu acordar eu sofro.
E quando eu já me ajeitava no travesseiro o filho da mãe tocou de novo. Nessa hora eu me levantei de novo e pensei. Tá, então digamos que ninguém morreu, deve ser algum amigo bêbados. É isso, me apeguei na idéia que era algum amigo bêbado e babaca. Mas o telefone só tocou 3x e parou. Imediatamente eu já imaginei minha mãe ligando aflita pra contar do novo defunto.
E o telefone tocou pela terceira vez. Eu sai correndo em disparada ao maldito, que fica em outro cômodo da casa. Óbviamente que o telefone é sem fio e eu o mantenho o mais distante de mim. Quando mal completou o 2º toque eu já atendi. Respirei fundo e falei: ALÔ!
...
No começo não entendi muito bem, então insisti em outro alô. Quando eu entendi o que tava acontecendo eu já mandei um ALÔ PORRA!!!
Por que dessa minha agressividade? ... de fundo, do telefonema, vinha uma música altíssima e algumas risadas.
Ninguém tinha morrido. Era só uma amiga de Brasília; bêbada e babaca, que resolveu me ligar pra contar a piada da menina que tinha o peito no joelho.
Com toda delicadeza e sutileza do mundo, que possui em minha pessoa, mandei tomar no c* e desliguei o telefone na cara dela e também da tomada. Com muito ódio do desgraçado.
Depois que me ajeitei na cama na tentativa de voltar para aquele sonho bom... só tive tempo de cair na gargalhada e pegar no sono.
Eu juro, eu te odeio telefone!
Beijo e NÃO me liga!

2 comentários:

  1. eu juro que eu também odeio telefone
    e olha que legal, sou telefonista

    ai vida de jeová

    te amo

    besos

    ResponderExcluir
  2. Que saudade das cartas!! Era tudo tão romântico e quando sabíamos da morte de parentes e conhecidos distantes, não tínhamos que nos apressar pra chegar em tempo aos funerais...
    Odeio telefone e odeio, ainda mais, o celular!!
    João

    ResponderExcluir