04 setembro 2009

poema da morte

Foi um furacão no coração
Num instante eu estava amando
no outro estava no chão!

Atravessei a avenida e nao vi você chegando
Tarde demais, já havia me matado.
O sangue quente pulsou mais frio

As memória bonitas, ficaram no chão
Meu corpo se levantou
e caminhou

A luz branca estava chamando
Atrás dela eu fui
Entrei numa nova fase...

Daqui de cima,
Observei o tão baixa que você foi
As crueldades e mentiras!

Pensei comigo, como fui bobo...
Quanto tempo perdido!
Como fui cego, mesmo enxergando

Hoje posso dizer que a experiência pós-morte foi confortante

Vi você se perder, querendo gritar meu nome!
Não há mais volta

Não há perdão
Só existe eu
Vivendo de novo

Enquanto que morrer
dessa vez
é com você

[escrito em 03/11/2006)

2 comentários:

  1. lindo amado!!!
    Vc hein?! Tá d+ ....
    To amando seus poems...

    (só pra constar... é "enXergando"...)

    Te amo saudades
    cla

    ResponderExcluir
  2. lindo amado!!!
    Vc hein?! Tá d+ ....
    (enXergando...)

    Te amo saudades
    cla

    ResponderExcluir